O que é o verdadeiro desejo de viver?

Um fenômeno freqüente é que quando a metade de um casal que está junto há muito tempo expira, outro também morre pouco tempo depois. A explicação habitual, íntima, é que eles se amavam tanto que não conseguiam viver um sem o outro. Ele ou ela morreu de um "coração partido", "não podia viver", "dependia de seu parceiro".

Vamos entender isso

Existe uma correlação entre a morte de um cônjuge e a morte subseqüente de outro pouco tempo depois? A teoria é que o desejo de viver pode ter uma influência específica sobre o sistema imunológico. O cérebro que está a cargo do nosso corpo pode ter um mecanismo de desligamento, que pode ser acionado em certos casos. Esses casos são como acidentes fatais ou doenças específicas, onde a mente sabe que não terá a capacidade de lidar.

Este mecanismo pode controlar as 'células suicidas'. Ultimamente, as células suicidas que os cientistas definem como morte celular programada (PCD) formaram a base para continuar a pesquisa biogenética. O PCD é a morte de uma célula que é mediada por um programa intracelular. Existem três tipos significativos de PCDs. A morte celular de tipo I é chamada apoptose. O Tipo II é autofágico e o Tipo III é necrótico. As células podem ser assassinadas por agentes injuriosos ou ser instruídas a cometer suicídio.

Tenha em mente

Se houver uma ameaça à integridade de um organismo por parte de certas células, o PCD é necessário para destruir essas células. Exemplos típicos destes casos são: células infectadas por vírus, danos ao DNA, células do sistema imunológico e células cancerígenas. Em certos tipos de células cancerosas, a apoptose é desencadeada por radiação ou substâncias utilizadas para tratamento. O que faz uma célula optar por cometer suicídio? O escritor considera que é o desequilíbrio entre os sinais positivos e negativos enviados pela mente. Se houver uma escassez dos sinais positivos (não desejo de viver) necessários para a sobrevivência ou se os sinais negativos forem encaminhados significando "não desejo de continuar a viver", o mecanismo de desligamento pode ser acionado.

Tem havido muitos relatos de casos em que os pacientes se recuperaram após terem sido claramente diagnosticados com câncer. Este fenômeno pode ser explicado pela estimulação do mecanismo do PCD pelo "desejo de viver" sinais positivos. Algumas vezes, vírus associados a cânceres podem usar truques, como criar uma proteína que inativa o sinal de apoptose. Nestes casos, as células cancerosas não só continuarão a viver e a proliferar, mas se tornarão mais resistentes à apoptose.

Conclusão

Uma maior compreensão desses truques e moléculas de engodo geradas para proteger as células cancerosas permitiria aos pesquisadores reativar e conquistar esses truques de proteção para poder destruir as células que são perigosas. O autor também acredita que futuras pesquisas sobre a remoção e destruição de células cancerosas podem ser implementadas em duas etapas. A primeira fase consiste em distinguir, identificar e marcar as células cancerosas. Na segunda fase, o objetivo é acionar células suicidas na região ou conjunto de células escolhido e pular a segurança atual das células cancerosas. Um forte apoio psicológico e familiar é fundamental para tal restauração. Além disso, o indivíduo deve acreditar e esperar por um futuro saudável e brilhante.

Este artigo foi útil?

Artigos Relacionados